Translate

terça-feira, 21 de março de 2017

Nunca foi entre você e os outros

Uma coisa que sempre me incomodou foi perceber que algumas pessoas desistiram de seguir na vida, desistiram de progredir, de lutar e de encarar a realidade. Eu nunca tive escolhas, sempre tive que sobreviver com muito pouco. Em famílias pobres ali no início da década de 90 não entrava nem um iogurte ou um chocolate em casa, carro novo era uma expressão muito vaga, leite em caixa era quase um luxo, queijo algumas vezes no mês, transporte só público e ainda com o dinheiro contado, eu me lembro que passava por debaixo da roleta do ônibus até o fim da oitava série! Só que eu era tão pequeno e tão magro que os cobradores achavam que eu tinha menor idade do que tinha, ou se compadeciam da minha camisa de colégio público.
O que começou a pegar foi que na escola pública que fui no segundo grau, SÓ TINHA O SEGUNDO GRAU, ou seja, se qualquer pessoa lhe visse na rua com aquela farda saberia que você deveria ter pelo menos uns 14 anos e estaria pelo menos no primeiro ano do segundo grau, ou seja, não dava mais pra eu passar debaixo da roleta do ônibus com aquela farda. E daí comecei a pagar a passagem de estudante. Coisas da moda, vídeo-games, gadgets, o próprio disco CD, Tv legais, viagens por menor que fossem, mesmo para um município do lado eram coisas inimagináveis.
Quando eu era criança, eu e meus irmãos ganhávamos roupas novas apenas para passar o Natal e o fim do ano, depois disso os mais novos usavam as roupas dos mais velhos e quase não ganhavam mais roupas novas.  Não existia isso de ganhar roupa quase todo mês, no aniversário, ir pra shopping, ir almoçar ou jantar num restaurante. Eu não sabia que essas coisas existiam direito, nem mesmo as desejava. A diversão era brincadeira de bola na rua, de correr, queimada, tica-tica, toca, bolinhas de gude, cavar buracos gigantescos pra queimar lixo, brigar de porrada mesmo, cuidar do próprio vira lata, tomar banho as 6 da tarde depois de tudo isso pra ir comprar o pão que seria o jantar.
Um dos meus únicos presentes da infância foi um vídeo game Master System com sonic na memória (em tempos de SuperNintendo já quase chegando no playstation 1) e também bem depois uma bicicleta usada e repintada na cor que escolhi, preta. Fora esses dois presentes eu tive um vira lata, o qual deve ter durado uns 5 anos comigo e amanheceu morto na varada da minha casa já bem velho. A minha casa era de esquina e tinha um terreno médio, que sempre crescia mato. Minha mãe quando não tinha muito o que fazer me mandava “limpar o terreno” o que incluía capinar e levar o mato pra outro lugar. De vez em quando isso me tomava um sábado ou um domingo.
São detalhes da minha vida que nunca havia escrito para outras pessoas lerem. Tudo bem que passei quase 5 anos escrevendo e enviando e-mails para mim mesmo, mas esses eram só pra mim mesmo. Mas por quê escrevo isso? Eu só queria descrever a minha infância como normal, relativamente feliz, um pouco parca em recursos financeiros, mas que corria tudo bem dentro daquele mundo, o qual nunca amaldiçoei ou reclamei (na época). Eu conseguia ser feliz com aquilo que tinha. Meu orgulho era estudar e tirar nota boa na escola.
Mas o que nunca foi entre VOCÊ e os OUTROS?
A vontade, a garra, o desejo, a superação, o crescimento, a busca e a evolução.
Nem entre eu e os outros e nem entre VOCÊ leitor e os outros.
Quer saber de uma coisa? Sempre foi entre você e você mesmo. A coisa é pra se resolver aí mesmo, você tinha ou ainda tem que se resolver sozinho. Essa é uma grande verdade. Não adianta reclamar, chorar, espernear, CULPAR os outros, culpar sua família, sua cidade, seus pais, seu país. CULPAR E RECLAMAR é sempre mais fácil não é? Traz um certo alívio? Se livrar da culpa da sua situação? Pode trazer. Mas essa não é uma atitude vencedora. É uma atitude que só vai lhe levar pra baixo, estagnar sua vida, é uma atitude perdedora.
A vida não escolhe vencedores e perdedores. Você se torna perdedor de acordo com suas escolhas, suas atitudes, suas companhias, seu esforço e da mesma forma vencedor. E basta que um vencedor comece a tomar atitudes perdedoras pra ele virar um perdedor passado algum tempo. Basta um perdedor tomar e incorporar atitudes vencedoras que em algum tempo ele vai vencer.
Em certos momentos da sua vida você tem que tomar algumas decisões muito arriscadas e que vão lhe exigir maturidade e serenidade, é a escolhe de um curso técnico, um emprego, um curso superior, um namoro, sair da casa dos pais, uma mudança de cidade ou estado e por aí vai, e sempre uma coisa puxa à outra. Um simples escolha errada lá atrás, dez anos depois pode se transformar numa catástrofe.
Em certo momento da minha vida, eu poderia estudar, me dedicar ao esporte, poderia ficar mais tempo com meus amigos do bairro na rua, nas calçadas conversando até quase meia noite, indo pra praia todo fim de semana, arranjando namoradas do bairro (que era pobre e violento – assim como o é até hoje) – ou eu poderia tomar meu rumo sozinho e mudar de vida.
Eu escolhi estudar pro vestibular aos 14 anos de idade. E estudava MESMO. Além disso eu lia compulsivamente livros e mais livros de literatura nacional e internacional, isso me ajudou muito na escola e nas provas e concursos que fiz depois disso. Se você me perguntar qual foi o ponto em que virei a chave e mudei de curso na vida, eu diria que eu VISUALIZAVA meu futuro ali se continuasse o que estivesse fazendo ou o que eu tinha que fazer para mudar. Eu nem mesmo tinha uma idéia clara de onde chegaria nem como faria isso, apenas estudava e aguardava o tempo passar, era minha única escolha ali.
Pode parecer idiotice mas ninguém precisa perder pra você vencer. Existem infinitas oportunidades e possibilidades por aí, existe ESPAÇO pra todo mundo. Mesmo na periferia, mesmo no Brasil, tem gente vencendo. Cada um vence à sua medida. Tem gente morrendo todo dia, tem gente sendo assaltada todo dia, tem político e empresário roubando todo dia, tem morador de rua, estuprador, mendigo, assassinos, ladrões, tem. Tem tudo isso o tempo todo. E sempre teve, desde que o mundo é mundo. Não ache que descobriu a roda.
Nós vivemos uma brutal guerra pela sobrevivência em qualquer lugar do mundo. Se você focar o aspecto negativo da sociedade e se contaminar por isso você vai afundar. Toda dia tem gente contraindo HIV, tem adolescente grávida, tem pensão alimentícia sendo cobrada, tem mortos no trânsito, tem tudo de ruim! Mas também tem coisa boa. E a vida é assim, entre mortos e feridos você deve marchar implacável, sem remorsos, nem dores, nem choros. A sua única opção é seguir em frente. Não dá pra chorar a tragédia de tudo à sua volta, você mesmo já vive sua própria tragédia e sua própria história.
Tem gente que acha que vencer é morar na praia e andar numa Ferrari, fora isso não venceu. Besteira. Tem cara que acha que vencer é comprar um terreno, construir uma casa, ter um emprego, casar, criar uns dois filhos e jogar bola duas vezes na semana. Cada pessoa é um mundo e cada cabeça tem uma sentença sobre um conceito. Os seus valores e desejos você constrói todo dia, e pode modificá-los quando e se quiser.
Não dá pra dizer que não dá pra vencer, porque você nasceu pobre, ou negro, ou gay, ou sei lá o quê. A sua vida é foda? Pode ser. Tá sem pai e sem mãe? Pode estar. Seus pais se separaram? Muito comum (os meus se separaram eu tinha uns oito anos). O padrão de vida caiu? Acontece com muita gente. Agora não dá pra ficar paralisado por causa disso, você e a vida têm que seguir em frente. Sabe por quê? Por que todo dia tem gente vencendo. Todo dia tem pobre ficando rico, todo dia tem negro ou gay melhorando de vida, todo dia tem órfão ganhando o seu, casando, fazendo uma nova família, todo dia tem casa nova e entregue e gente indo morar dentro.
Todo dia tem alguém comemorando uma aprovação num concurso qualquer ou num vestibular. Todo dia tem coisa boa acontecendo, com todo tipo de gente. Tem comércio prosperando, tem pequenos comércios prosperando, têm idéias novas e pessoas acumulando um pouco mais de patrimônio.
Hoje em dia com essa coisa de “Rede Social” fica todo mundo brigando, falando mal uns dos outros, se odiando gratuitamente, você tá aí no RJ e fica odiando de graça um cara que tá lá em Fortaleza? Qual é o sentido disso? É filho de pobre reclamando da vida e da vida dos outros que tem vida melhor? Cara, o que você tem a ver com a vida dos filhos do Eike Batista, com os filhos do Abílio Diniz.
Quem nasceu rico nasceu, meu amigo, e pronto. Não tem nada que você possa fazer. Essa raiva dos outros não vai lhe levar à nada. Odiar o príncipe da Inglaterra ou o filho do Zuckerberg vai lhe ajudar em quê? Estou extrapolando o exemplo mas o mesmo se aplica à alguém que você conhece. Um cara que tem uma família com melhores condições não tem culpa disso, e poderia ser inclusive você. Se eu tiver um filho um dia ele vai ter uma condição de vida MUITO melhor do que a que eu tive, a começar por pelo menos três refeições de comida diariamente, e ele já vai ser odiado por muitos por causa disso? Isso não tem lógica alguma. Isso é coisa de perdedor. E você que vai escolher ser um perdedor de tanto RECLAMAR e viver a vida dos outros.
Ninguém tem culpa alguma de você estar andando a pé ou almoçando miojo. Eu andei a pé por 24 anos na minha vida e nunca culpei ninguém. Eu almocei miojo dezenas de vezes na minha vida e nunca culpei ninguém. Você tem que aprender a viver e a se superar dentro da sua realidade e trabalhando em você, com o que tiver, onde estiver. Se vira mesmo, viva a sua vida e deixe os outros em paz. Lhe garanto que você vai chegar muito mais longe dessa forma.
Eu conheço vencedores e perdedores pessoalmente. Os perdedores ESTÃO RECLAMANDO até hoje! Tenho um amigo de infância que faz 15 anos de reclama e está lá no mesmo lugar, TODO MUNDO já mudou de vida, menos ele.
RECLAMAR VIROU UMA DOENCA!
E é uma doença de perdedor. Quando você se pegar RECLAMANDo, PARE!
PARE DE RECLAMAR DA VIDA.
PARE DE RECLAMAR DOS OUTROS.
PARE DE RECLAMAR DE SUA FAMÍLIA, DO SEU PAÍS, DA SUA CIDADE, DO SEU BAIRRO.
Eu LHE GARANTO, LHE GARANTO, QUE TEM GENTE MUITO MAIS FUDIDA DO QUE VOCÊ E QUE VAI VENCER INFINITAMENTE ALÉM DE VOCÊ.
Quanto mais você reclama, mais fica pra trás. O mundo não perdoa. Ninguém vence na vida de tanto reclamar. As pessoas vencem na vida com trabalho, força, estudo, suor e lágrimas. Nada além disso. As coisas não caem do céu, NINGUÉM lhe deve nada, NINGUÉM tem obrigação com você, exceto seus pais e isso se você for criança ou adolescente. Se você já for adulto NEM SEUS PAIS tem mais obrigação com você. Você está por conta própria, você está sozinho, acostume-se, encare a vida de frente.
Você deixa de passar num vestibular por CULPA SUA.
Você deixa de passar num concurso por CULPA SUA.
Você estava num emprego legal e foi demitido por CULPA SUA.
Você levou um pé na bunda de quem amava por CULPA SUA.
Você parou de estudar e de se formar ou especializar mais por CULPA SUA.
Você não sabe inglês por CULPA SUA.
Você não emigrou pra Europa ou EUA por CULPA SUA.
Você não ganha mais dinheiro POR CULPA SUA.
Você está endividado por CULPA SUA.
Você gasta muito e tem muita despesa por CULPA SUA.
Você foi andar de moto e perdeu a perna por CULPA SUA.
Você está indo bem, trabalhando, aportando, investindo, melhorando de vida por CULPA SUA!
Nesse mundo aqui, NADA, NUNCA, foi entre você e os outros.
O seu maior inimigo foi sempre você mesmo. Quero ver é ter coragem pra ADMITIR isso.
E admitir isso aí é o primeiro passo pra melhorar.
Grande abraço,
Frugal.

Um comentário:

  1. Parece até que temos vidas gêmeas, agora culpa minha se meus recursos são menores! Me vi em um monte de aspectos, e a vida deu uma guinada quando percebi que a responsabilidade sobre meus resultados é única e exclusivamente minha. Excelente post.

    ResponderExcluir