Translate

domingo, 12 de novembro de 2017

A vela e a sombra da vela


Lana Del Rey, a nova musa do blog, a propósito, você pode colocar essa música dela pra ir tocando:
https://www.youtube.com/watch?v=3-NTv0CdFCk

Hoje vou falar sobre o SER e o TER.

É um tema legal pra falar aqui na blogosfera, além do mais domingo a noite é o meu momento mais filosófico da semana.

Um dos erros mais comuns da humanidade é confundir o SER com o TER, e quanto menos educado e quanto menos conhecimento o indivíduo tiver parece que esse erro aumenta, pelo menos no geral é assim que eu percebo.

Vamos pegar a blogosfera como uma pequena amostra da sociedade brasileira, temos muitos blogueiros bons, alguns milionários, outros menos, alguns com bons salários, alguns com bom patrimônio apesar do salário baixo, temos empregados CLT, temos empresários, temos ex-empresários, temos funcionários públicos, executivos e por aí vai. Uma boa parte desse divulga seu patrimônio e seus investimentos, além disso temos milhares de leitores que por nossos blogs navegam e de vez em quando alguns desses leitores se tornam blogueiros e por aí vai.



Mas o que são essas tabelas, esses patrimônios, esses dividendos e essas estratégias dos blogueiros?
O que de fato a maioria dos leitores enxergam? Números, retornos e rentabilidades?

Bem, se você for um desses leitores, sinto muito lhe dizer que você está olhando a coisa errada, não são os resultados que importam e sim os blogueiros que importam.

O que nós temos é apenas um reflexo de como pensamos e agimos, de nossas escolhas, do nosso comportamento, da nossa capacidade de trabalho, disciplina, poupança e dos nossos hábitos de consumo. Você percebe isso?

Alguma vez você chegou aqui e se perguntou quantas horas eu trabalho por semana? E há quanto tempo?

Alguma vez você se perguntou quantos livros eu li sobre finanças, bolsas, economia, macroeconomia, câmbio, crises financeiras, ativos, alocação de ativos, história, etc etc etc...?

Muita gente quer ir "direto ao ponto". O que temos, onde investimentos e quais retornos tivemos. Como se fosse simples e matemático assim. Tem muito mais ciência do que matemática aqui. É uma verdadeira dinâmica multidimensional tudo o que cerca a nossa vida.

Digamos que eu tenha atingido os R$ 2 milhões de reais antes dos 33 anos.
Seria uma história interessante de ouvir como alguém conseguiu isso. Eu sempre disse mais ou menos quanto aportava e o que comprava, e quanto ganhava a partir disso e por aí vai, mas isso é apenas o resto da operação. O que foi feito de verdade está muito acima disso, e é sobre isso que quero falar, todos os resultados que eu obtive são A SOMBRA DA VELA.

O que eu tenho É A SOMBRA DA VELA. Não adianta lutar e brigar por dinheiro, o dinheiro é a sombra da vela, é a consequência da existência e do brilho da vela, sem vela e sem brilho não haverá sombra.

Amigos, vocês não podem querer TER alguma coisa sem SER alguma coisa, o TER é a consequência do ser, por isso é muito importante trabalharem em vocês mesmos e fugirem da ignorância, do conformismo, do vitimismo, do fatalismo, fugirem de más companhias e de pessoas que reclamam o tempo todo e deixam o ambiente negativo. Hoje em dia está até mais fácil o conhecimento,youtube, kindle, podcasts, cursos online, pdfs pra baixar, livros pra ler, etc etc etc. Só com um smartphone e um PC vocês podem decolar na vida, acreditem nisso. Eu tive muito menos que isso.

Eu cresci escrevendo cartas para estranhos, a gente passava cola Tenaz por cima do selo, mandava pelo correio, depois tirava a cola e usava o selo de novo, acreditem que lá em casa tinha tão pouco dinheiro que era assim que a gente mandava carta, era caro comprar selo pra mandar carta, e eu queria escrever e ter respostas, assim como outras pessoas, pelo menos assim eu aprendi a escrever.

Quando eu tinha 15 anos entrei numa escola que tinha computador e laboratório de informática, criei um email do bol, os sêlos e a cola tenaz ficaram para traz, passei muitos anos escrevendo emails para mim mesmo, eu achava mais prático do que diário. Todos os meus sonhos, planos e objetivos estavam ali, tudo o que eu sempre quis, como por exemplo uma casa na praia, uma prancha de surfe, uma bicicleta, um playstation 1, naquela altura essas 4 coisas seriam o ápice da minha felicidade no planeta terra.

Consegui comprar uma bicicleta de segunda mão aos 13 anos de idade, sem marcha, a qual eu ia pra escola, o playstation 1 eu nunca tive, mas eu tomava conta de uma game e jogava de graça lá (esse foi meu segundo emprego na vida - depois vou fazer um post aqui sobre o meu primeiro emprego remunerado, um post apenas pra isso). A casa de praia ainda não veio, e a prancha eu comprei uma de segunda, por 70 reais, usei ela uns 6 anos.

Vocês antigamente, quem aqui é da minha idade gostavam de Cremogema? Aquela papinha que é só um pó colorido de açucar? Eu adorava. Passava as semanas todas contando moedas, juntando e quando dava a quantidade que eu queria, eu ia no supermercado exclusivamente comprar a cremogema pra comer no meio da tarde, eu gostava mais da de morango ou de milho verde, e voltava do supermercado apenas com a cremogema na sacolinha, além do mais eu mesmo que a fazia no fogão. Eu valorizava bastante esse momento tão simples que até hoje me lembro.

Não busquem apenas o TER, busquem SER. Parece meio piegas, mas é a pura verdade. Nem eu nem ninguém teria nada se não fossêmos nada, parece meio óbvio mas ninguém liga pra isso. Quem consegue muita coisa na vida sem ser nada ou se esforçar é quem ganha na loteria.

Não busquem a SOMBRA da vela, não dá pra pegar na sombra da vela, ela na verdade quase nem existe, a sombra é impalpável e fugaz. A vela não, a vela está sempre ali, sendo o que ela é, e seu fogo e sua chama estão lá brilhando de acordo com o corpo que a vela tem.

Eu digo isso porque hoje me peguei pensando se esse meu negócio todo der errado, o que vai ser de mim? Serão uns 2-4 anos de trabalho duro e pesado jogados no lixo, fora o custo de oportunidade, mas e daí? Eu estava olhando a sombra da vela também, me esquecendo que EU sou a vela, eu que brilho, eu que tenho corpo próprio, eu que faço a minha luz. Não tenho medo de perder nada não, eu consigo tudo de novo, eu trabalho tudo de novo e consigo tudo de novo, além do mais eu não tinha nada e já sei muito bem como é estar lá. Não dá pra achar que a vida é somente finanças, a vida é muito mais do que isso.

Quer saber do que eu tenho orgulho? O que eu tenho orgulho pra caramba?
Não é da minha carteira de ações, dos meus debentures, dos meus imóveis, do meu salário atual. Nada disso.

O que eu tenho orgulho é do CONHECIMENTO que eu tenho, do que eu construí nesses últimos 4 anos baseados em muita leitura, trabalho, dedicação e capacidade de melhorar, aprender, discutir sobre assuntos complexos dentro de finanças e economia. E o que eu tenho na minha cabeça, a chama da vela foi o que me trouxe até aqui.

Quantas milhares de horas da minha vida eu não fiquei no fórum do bastter?
Quantas milhares de horas da minha vida eu não fiquei vendo vídeos no youtube sobre finanças?
Quantas milhares de horas eu não usei para ler mais de 50 livros, artigos, sites, posts, blogs brasileiros e americanos sobre finanças?
Tem como mensurar o valor econômico disso?
Qual o valor de saber tomar boas decisões financeiras por toda uma vida?

Eu praticamente me formei nisso.

Com o conhecimento que eu tenho poderia tranquilamente gerir um fundo de ações nacional ou global, poderia gerir um patrimônio milionário de uma família abastada ou até mesmo tocar um asset. Por quê não? Essa profissão eu posso dizer que conquistei por mim mesmo e apesar de não ter aqueles certificados todos (até porque não vejo necessidade disso agora) eu acho que poderia me dar muito bem profissionalmente nessa área e/ou apenas utilizar esse conhecimento para mim mesmo e ir sempre aprimorando ele cada vez mais e mais, e isso ninguém tira de mim ou de você.

O intuito do post não é falar sobre mim, eu tenho que exemplificar. O intuito do post é levar você pra uma viagem pra dentro de você e lhe perguntar: o que você está fazendo por você mesmo, para melhorar sua vida cultural, pessoal, profissional e financeira nesse momento? Qual livro você está lendo atualmente? (passei uns 15 anos perguntando isso pra todo mundo que eu conhecia).
Você quer andar de carrão, ter casa na praia, ganhar 10k passivos mensais de dividendos, chegar no primeiro milhão antes dos 35 anos? O que está fazendo em relação á tudo isso? Está trabalhando MESMO em você ou só está contando dinheiro e tentando agarra a sombra da vela?

Você desperdiça seus finais de semana nas ruas, nos barzinhos, nas baladas, na praia, ou apenas de namoricos e etc etc... sem ler um livro, sem fazer um curso online, sem ler uns bons blogs, sem trabalhar mais? Não devo ter boas perspectivas para você.

A propósito hoje enquanto escrevo isso é um domingo, são mais de 22h e estou trabalhando, parei um pouco pra escrever isso mas vou já trabalhar de novo. Quem está comprometido com o sucesso não trabalha apenas 8h por dia e sim 16-18h, lide com isso. Se você "se liberta" às 18h da sexta feira sinto muito por você.

Se você navega na blogosfera apenas analisando investimentos e patrimônios está fazendo a coisa errada, tente entender a natureza e a personalidade dos blogueiros que você mais gosta e tente absorver o que eles conseguem passar de bom.

A Independência Financeira não começa quando você tem R$ 3 milhões de reais. Ás vezes ela começa quando você não tem nem o que comer direito. Ela começa quando o seu melhor lanche da tarde na sua vida é uma cremogema de morango. Pense nisso.

A vida não está na sombra da vela e sim na luz dela.

Grande abraço a todos e boa semana.

Frugal.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Fluxo de caixa, dívidas, dificuldades iniciais, break even e outras coisas.




Olá amigos!

Quem é vivo sempre aparece.

Mais uma vez meu PC deu pau. Era um mcbook de 2011. Me parece que agora ele foi pro saco de vez e já gastei muito dinheiro tentando ajeitar, se a assistência condenar (de novo) vou ficar usando um dos pcs da empresa e esperar pra comprar outro macbook quando for nos EUA ou pedir pra alguém trazer (afinal de contas não tenho mãe na zona pra pagar 10k num PC). Estou até me surpreendendo com o pc lenovo que estou usando, pois ele é realmente muito bom, rápido e com som excelente (eu sou viciado em música) - e, por falar nisso, a nova musa do blog é a Lana Del Rey, cantora sensacional, gatíssima, mesmo sem maquiagem ou produção, compositora, bela voz e enfim é uma artista completa e apesar da pouca idade já tem uma biografia muito louca e muito massa. Quem não conhece fica aí a dica, tem muita música e clipe dela no youtube, acho que ver os clipes é essencial pois ajuda a integrar a imagem da artista junto com o áudio, e nesse caso são duas coisas que caminham juntas.

Vamos aos negócios:

A loja começa a andar. Acho que estou gastando dinheiro à toa no google adwords e Facebook, pois não tenho idéia se isso trouxe cliente. Resolvi anunciar em mídia comum, outdoor e rádio, isso pra dezembro, vamos ver no que dá.

Sobre o fluxo de caixa:

O tal do fluxo de caixa que todo mundo fala, é realmente algo foda, principalmente no começo. Os primeiros dois meses vou fechar em -20 e poucos mil negativos, não é pra qualquer um. Não pensem que o cara não fica com medo, não fica ansioso, não fica arrependido. Tem dias que eu penso que enfiei os pés pelas mãos, começo a me arrepender, mas vem uma venda nova e a pessoa se anima. É uma verdadeira batalha mental empreender, ainda mais quando você pensa que poderia estar aportando forte e ganhando dividendos e juros, tudo seria apenas positivo, e se pensar em módulo então a coisa toda fica muito mais feia do que já é.

O empreendedor tem que ter esperança no futuro. As receitas de vendas são absolutamente imprevisíveis, nem adianta fazer conta, é como comprar um carrinho de hot-dog por 1000 reais, mais 300 reais de material e achar que vendendo 100 hot dog por dia a 3 reais cada um, vai recuperar o valor investido em dois meses, falando assim fica muito fácil, mas uma noite chove, outra noite aparecem 15 pessoas, duas não pagam, vem um mendigo pedir, vem um cachorro, você adoece, numa noite falta luz, outra noite chove muito... e assim vai, por isso cada dia mais aumento meu respeito por quem empreende e principalmente quanto maior for o investimento. Imagine então um supermercado grande tipo com 100 funcionários, terreno enorme, sem ser de nenhuma rede, sendo apenas o supermercado do fulano, quanto que não tem ali dentro de dinheiro imobilizado, quantos empregos e impostos gerados, além da trabalheira doida, medo da violência e tudo o mais, apenas para tirar um troco no fim do mês. Pensem num dinheiro suado e arriscado.

Os dias estão muito corridos, não tenho ninguém pra me ajudar além dos funcionários, então até material de expediente e insumos como café, balde, vassoura, grampeador, resma de papel, copo descartável, material de limpeza, isso tudo sou em que compro. Então passo os dias correndo de um lado pro outro, fora as coisas da obra, gêsso, ar condicionado que pinga, goteira, rodo que quebra, torneira vazando, sujeira, cópias de chaves pra tirar, muita gente pra ligar e mandar e-mail, responder emails e solicitações da franqueadora (cada vez mais chatos) e ainda ter que vender e cuidar da parte comercial (que por enquanto não estou 100% dedicado, o que é foda mas por enquanto não tem jeito) - essa fase vai passar e depois fico mais livre acho que até o fim do mês.

MAAAAAAAAS o principal desse post é o seguinte:

Mês que vem, minhas receitas vão pagar uns 80-90% da folha, o que é sensacional pois essa é a maior despesa e deu quase R$13 mil esse mês, outros 13 mil somam o resto da despesa e uns quase 26 mil são a despesa total do negócio (isso sem contar o aluguel que eu não pago).

Também eu criei vergonha na cara e baixei uma planilha de Fluxo de Caixa no Excel, dei uma modificada e estou preenchendo-a, pequenos valores somados vão dando coisa grande, importei ela no Google Sheets e vou ficar atualizando por lá, sensacional né? Depois vou fazer uma aba para o investimento total considerando tudo, treinamento, preço do imóvel e etc e quando tiver tudo ok vou fazer um quadro parecido com o quadro do bastter pra ter uma idéia melhor do negócio e também para vocês terem uma idéia, assim vai todo mundo aprendendo um pouco. Espero que eu atinja o meu break even no máximo até o final de fevereiro, pois se assim não for, vou começar a ficar um pouco apreensivo de verdade, mas eu sei que certas coisas a gente tem que dar tempo ao tempo pra acontecer, não tem como abrir um negócio novo já dentro do azul, isso leva um tempo, é preciso ter paciência e dinheiro pra cobrir.

Vamos ver meu quadro de dívida:



Paguei quase 60k esse mês para abater a dívida (recebi uns dinheiros atrasados desde Junho), então já caí do milhão e só estou devendo 949k. A idéia é pagar o imóvel até Janeiro/2019 com novos aportes e reinvestimento total de algum eventual lucro (que não sei quando vai acontecer).

Pra não cansar vocês pessoal, por enquanto é isso. Os dias estão muito corridos e eu estou sem PC faz mais de 3 semanas, espero que me entendam. Quando eu tiver mais tranquilo vou fazer um post de melhor qualidade e mais filosófico a respeito disso tudo.

Também estou devendo visitas no blog dos amigos aqui do blogroll e vou fazê-las em breve.

Grande abraço a todos,

Frugal.

domingo, 15 de outubro de 2017

Primeiro Fluxo de Caixa da Loja + Custos totais





Enquanto o Brasil patina, os EUA batem recordes na bolsa, na baixíssima taxa de desemprego e na geração de renda, além é claro de uns muitos trilhões na dívida ehehe

Arrependimento de não ter comprado bitcoin é enorme. Esperei esperei e esperei e o bonde passou.

Vamos lá:

Os custos para implantação da loja foram de 445k já com a obra.
Devo lhes lembrar que 271k desse valor veio do lucro das minhas vendas das ações.

Fluxo de Caixa:

Receita: R$4104,00
Imposto (simples): R$246
Lucro bruto: R$3858,00

Despesa: R$26.360,00
Folha: R$13.000,00
Aluguel: R$ 8000,00 (eu não pago mas vou contabilizar devido ao custo de oportunidade do imóvel)
O resto é energia, água, internet (fibra ótica), telefone fixo e celular, materiais de limpeza e escritório, marketing (facebook, instagram e Google adwords).

Total do primeiro mês: R$-22.502,00 isso era esperado para um mês pré-operacional.
Separei 150k para capital de giro nos primeiros 6 meses pois projetei mentalmente que o custo mensal ia ser de 25k.

É um número e tanto, bem impressionante. Algumas coisas eu apenas projetei como custo de água e luz pois ainda não recebi a conta oficial, assim como o valor da folha foi apenas um cálculo mental com algumas anotações, enfim mais ou menos a metade foi um valor de fato e a outra metade foi projetada, incluindo o aluguel que não pago mas tenho que contabilizar como se pagasse para estudar a viabilidade do negócio.

Se alguém quiser/puder me dar uma dica de como organizar melhor isso eu gostaria de saber.
Baixei uma planilha bem legal de fluxo de caixa para pequenas empresas e estou usando ela no Excel.
Diminuí 25 mil da minha dívida total e espero diminuir mais até o fechamento.

Segue o quadro:



Nessa semana vamos inaugurar oficialmente, abrir as portas, e dar mais força e foco no negócio.
Separei três dias da minha semana pra ficar lá o dia todo, tocando como deve ser feito. A obra e outras coisas me ocuparam demais e não me dediquei à minha parte no comercial, espero que agora que eu vou ficar mais no comercial a coisa ande mais.

A partir de Janeiro/2018 terei encerrado os pagamentos à franqueadora e das prestações da mobília e do estoque, essas 3 parcelas estão em quase 25k. Quando acabar elas três vou dar uma respirada e retomar o fôlego somando todos os aportes para aportar no abatimento do valor do imóvel, a idéia central é liquidar toda a dívida até o fim de 2018, então durante o ano que vem vou ter pouco a falar sobre o mercado financeiro mas muito a falar da loja e do primeiro ano de um negócio próprio.

Tenho muitos valores a receber faturados ainda em 2017 na minha profissão, porém muitos contratos não foram honrados, tenho R$268.000,00 a receber já faturados, na medida do possível serão utilizados para pagar o imóvel e a obra. Foi uma mudança e tanta, muita concentração e imobilização de muito dinheiro em 3 coisas: duas empresas e um imóvel. O custo de tudo isso? R$2 milhões. O que eu espero disso? Um lucro de R$20.000,00 líquido mensal a partir de Fevereiro de 2018, ou seja, 1%, sendo muito otimista.

Essa foi uma pequena atualização porque fiz o Fluxo de Caixa desse mês.

Estou lendo a autobiografia de Arnold Schwarzenegger, teve um momento que ele saiu de porta em porta em hollywood pedindo para fazer papéis como ator no cinema, olha o que os produtores e diretores diziam pra ele, lembrando que ele é austríaco, chegou pobre e sem falar inglês na Califórnia. Segue um print:



Está vendo o tipo de coisa que o cara ouvia? E mesmo assim ele venceu na vida.
O livro está pra baixar de graça o pdf no site lelivros, estou gostando muito, ainda estou na metade.




Grande abraço,
Frugal.

sábado, 7 de outubro de 2017

Vida abundante sem independência financeira


É preciso desfazer um mito na blogosfera.
O mito de que a felicidade está atrelada à independência financeira.

Eu mesmo acreditei nisso por algum tempo, uns dois anos, mas esse tempo passou.
A felicidade não vir depois da IF, uma vida plena, abundante, cheia de realizações pode ser vivida no caminho para a IF, mesmo que a IF nunca aconteça de fato.

Eu sei que o pobreta fez escola, e que muita gente acha que o caminho é péssimo, e que só o objetivo final, a IF é a solução para todos os problemas da vida, como se fosse a alforria do mundo, a libertação da sua alma e a chegada no Jardim do Éden, mas acredito que não é.

Todos os dias você vai ter que acordar, comer um pão, tomar um leite com nescau, um café preto, fazer alguma coisa entre isso e o almoço, onde você vai comer uma carne, um feijão e um suco. Estando na IF ou não, você vai ter que carregar essa sua carcaça pra um lado e pro outro, atender celular, mandar mensagens, entrar e sair de redes sociais e conviver com seus pensamentos.

É bem difícil definir felicidade pois isso é muito pessoal, mas tornar a sua felicidade real apenas quando atingir a IF é um erro gigantesco.

Pra ser feliz você tem que ter uma história, um conteúdo, uma bagagem cultural, emocional, profissional, fraternal, familiar, laços, amigos, animais, natureza, tempo, corpo são, mente sã, distância de vícios malignos, mente calma, preocupações normais em nível basal e também claro, dinheiro na conta, sobras, dividendos, juros, abundância.

Há algum tempo eu sou feliz porque acho que preciso de pouco, é preciso ser grato pra ser feliz. Meu carro tem 10 anos de idade e sou feliz com isso, até um pouco orgulhoso do como eu cheguei até ele. Meu ap é num prédio popular pra médio, mas é o melhor lugar que morei na minha vida toda em termos de estrutura (elevador, piscina), é silencioso, não tem carro ou ônibus passando do lado, tem uma vista verde e me atende muito bem. 

Não tenho muitas roupas, relógios e acessórios de grife (isso define a felicidade de muitos). Sempre tem comida na geladeira, iogurte, queijo, ovo, frutas, carne no congelador. Sempre tenho desodorante, shampoo, condicionador, pasta de dente, perfumes e etc. E isso me faz feliz, apenas esse arcabouço que é o sonho de muitos. 

Todas as minhas contas de agua, luz, condomínio, supermercado e etc resultam num valor que não chega nem a 15% do que eu produzo num mês e ainda posso investir de 70 a 85% da minha renda dependendo do mês.

Uma vida de abundância é uma vida feliz, é você ter um teto, comida, roupas, produtos de higiene e limpeza, internet, livros, caixa de som, um meio de transporte e depois de tudo isso ainda sobrar um dinheiro para investir e ver seu patrimônio e renda passiva crescer.

Eu já falei aqui que a gente vive com muito mais do que precisa, e cada dia mais tenho consciência disso. Também li um artigo no Mises Brasil que me fez pensar muito, um que falava que nós simples mortais hoje em dia vivemos muito melhor do que o próprio John D. Rockfeller viveu na sua época, mesmo ele sendo um multibilionário magnata do mundo.

Nós temos internet, vacinas, aviões pra viajar, carro e ônibus pra andar, boas comidas pra comer, muita variedade de bebidas, geladeiras, etc etc etc todo o aparato residencial e industrial que nos dá conforto e algum luxo e ele nem isso tinha. Nós temos kindle, Previdência Social, smartphones, PCs, motocicletas, carros potentes, bons tratamentos médicos, alta expectativa de vida e muita coisa boa e barata e farta, graças ao capitalismo e ao barateamento que a tecnologia vem sofrendo paulatinamente devido ao progresso da humanidade, mas muitas pessoas preferem sempre ver a metade do copo vazio.

Pra ser feliz também é preciso ter esperança. Eu tenho muita esperança, eu sou otimista e isso me faz feliz. Eu simplesmente acho que daqui a 10 anos eu vou estar num lugar muito bom, vivendo minha vida tranquila, meus sonhos, fazendo o que quero, o que gosto, com um bom patrimônio e uma boa renda passiva. Se você não tem esperança que sua vida vai estar melhor daqui a 5-10 anos fica bem difícil ser feliz. Que tal olhar para trás e ver onde você estava cinco anos atrás? Você melhorou? Sua família melhorou? Suas relações pessoais, profissionais, patrimônio e renda melhoraram? É preciso considerar o passado e ficar menos ansioso com o futuro, viver o agora, sentir o agora.

O caminho para a IF, que é um conceito puramente matemático e abstrato tem que ser feliz, senão nem adianta e vai ficar impossível chegar lá, ficará muito difícil persistir, vai ser muito desgastante e o final a gente já sabe, será a derrota na única vida que eu acredito que a gente tenha.

Mas e essa vida abundante, o que é?

Eu acho assim, que é uma vida sem muita preocupação com dinheiro, sem contar o dinheiro, é ficar sem ter que escolher qual leite levar no supermercado porque é 20 centavos mais caro do que o outro, é não ter que ir em três lojas de tênis pra pesquisar e pesquisar e comparar para comprar um barato e horrível. É parar de se preocupar com picuinha. É chegar no posto e sempre completar o tanque. É o poder de nas próximas férias poder ir pra qualquer lugar, seja Alaska, China, Nova Zelândia ou Noruega. Basta apenas ter o tempo e o dinheiro na conta pra ir, sem ter que ficar fazendo muita muita conta, apenas o normal.

Vida em abundância também não tou falando que seja Porsche na garagem e iate na Marina, se tiver ótimo, mas se não tiver se contente com seu carro mesmo sendo um popular e um passeio de barco alugado com mais 50 desconhecidos vez por outra, contanto que você esteja num bom caminho, produzindo, trabalhando e investindo.

Quando eu era criança meu pai contava quantas luzes tinham acesas na casa pra brigar com a gente. Era a TV ligada na sala escura sozinha e a luz desligada, nunca TV e luz ligada ao mesmo tempo pra não aumentar o gasto. Banho quente? Nem pensar, nem o chuveiro não tinha. Muita coisa era contada. Hoje em dia eu não conto nada disso, ligo a luz, tomo banho quente, ligo o som, não conto mais essas coisas (que passaram a ser café pequeno). Só pra ilustrar eu acho que já vi a energia elétrica da minha casa ser cortada entre 8-15x e por falta de pagamento mesmo, a gente já puxou gato do vizinho e tudo até pagar a conta, era um gato consentido na verdade.

Pedir coisas como gêlo, café, açucar, margarina etc... nos vizinhos era coisa normal onde eu morava, muitos faziam isso, assim como comer de vez em quando uns na casa dos outros. Uma vida de escassez. Outra coisa era o dinheiro contado na carteira. Até uns 6 anos atrás se você me perguntasse do nada quanto eu tinha na carteira eu falava R$22,75. Hoje eu não sei se tenho 35 ou 95 na carteira, e estou falando sério mesmo.

E o cartão de crédito? Você já passou a situação de ir no supermercado, fazer todas as suas compras e torcer muito pro cartão passar? Eu já, dezenas e dezenas de vezes, a taquicardia na hora de passar o cartão era quase a regra e o limite dele era apertadíssimo e teve vezes que deixei tudo lá e fui pra casa sem nada. Quando dava o aprovado eu ficava muito feliz. E algumas vezes dava não autorizado. Esse tempo de escassez já passou, ainda bem. Outra coisa era sacar dinheiro no caixa eletrônico, muitas vezes eu chegava logo pra sacar coisa como 50 ou 70 reais e dava "saldo não suficiente" e eu voltava sem nada, e teria que esperar até o próximo mês pra ter. E ficava em casa sem poder comprar mais nada ou sair pra me divertir.

Hoje em dia eu passo cartão sem medo, dirijo meu carro, saco dinheiro no caixa eletrônico, compro a camisa em qualquer loja do shopping se eu quiser, sim no shopping (pode até ser normal pra alguns de vocês comprar roupa em shopping, mas pra mim isso demorou muito tempo pra virar realidade) pois roupa em shopping é muito mais cara do que na rua do centro. E isso é uma vida em abundância. Uma vida sem medo da fatura do cartão.

Por que que eu falo tudo isso? Porque essa é uma parte do caminho até a IF que pouca gente fala, é um caminho suave. O Mille do site do Bastter fala uma coisa interessante:

"Quanto mais o tempo passar, mais você vai ganhar, mais vai aportar, mais vai economizar".

Todas as três coisas dão pulos pra frente juntas.

Você ganhava 5 mil, aportava 2 mil e economizava 3 mil.
Você ganhava 10 mil, aportava 5 mil e economizava 7 mil.
Você ganhava 25 mil, aportava 18 mil e economizava 20 mil.

E por aí vai.

Veja que nesse caminho sua vida já melhorou muito e você tem acesso à muita coisa, mas ainda continua no caminho da IF. Eu já viajei por uns 8-10 países no mundo, tirei longas férias e continuo no caminho da IF percebe? Se alterou muito o tempo até lá? Nem sei e nem importa, vai fazer muito pouca diferença.

Vá vencendo aos poucos e fique todos os dias um pouco mais feliz com a sua vitória, pequenos passos, todos os dias, e você chegará longe. 

Perderá o medo da conta de luz e da fatura do cartão de crédito.

É preciso ser grato ao que você já tem. É preciso parar de reclamar e de se deixar influenciar negativamente pela mídia ou por pessoas negativistas e pessimistas. Isso é muito importante. Seja a pessoa que fala coisas boas e que é agradável para as pessoas à sua volta, na vida, em casa, no trabalho e por onde estiver. A pessoa que é abundante e plena irradia uma energia boa por onde passa e torna o ambiente melhor de conviver.

Grande abraço pessoal, boa semana a todos.

Frugal.